quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Em que o Capitão Nascimento pode ajudar no marketing digital?

Amigos.

Na última 3a feira assisti ao filme Tropa de Elite 2, e não apenas achei o melhor filme nacional de todos os tempos, superando o Tropa 1, como achei fantástico a forma como o Padilha (diretor do filme) teve a coragem de jogar (vocês sabem o que) no ventilador.

Não vou aqui contar nada do filme, pois sei que muita gente ainda não viu, mas posso dizer que ao sair você sente vergonha do país que mora. E posso sugerir que se você não assistiu vá HOJE MESMO!!

Mas por falar em coragem, esse filme mostra muito bem isso.
As atitudes do Capitão Nascimento todos nós sabemos mas a coragem do Padilha foi elogiável e vejo que falta isso em muito anunciante. Ele teve coragem de comunicar, de passar uma mensagem a milhões de pessoas usando o cinema. Porque os anunciantes não tem a mesma coragem de fazer suas propagandas em outra mídia altamente relevante e que cresce a cada dia, a Internet.

Estou dando aula na Pós-Graduação de Marketing Digital na Faculdade Impacta de Tecnologia (além de dar aula e palestras em outros lugares) e sempre estou discutindo com meus alunos sobre o porque as empresas ainda estão miopes com relação a Internet.

Nem 5% do bolo publicitário é voltado a rede e desse valor, que deve chegar a 1,2 bilhão de reais, uma parte enorme vai para banner na home de portal! Esse valor é o que gasta 2 ou 3 anunciantes na TV. Sim, 2 ou 3 anunciantes na TV gastam a mesma coisa que TODOS os anunciantes na web!

Cadê a coragem? Fazer banner na home de portal, para mim, é igual ao comercial da Globo. Já teve tempo em que só isso resolvia o problema da empresa.

Sou contra o comercial na Globo ou o banner no portal? Não! Muito pelo o contrário. Primeiro porque sou avesso as teorias do caos que uma mídia mata outra. Segundo porque acredito em uma campanha 360 graus para sucesso da marca.

O consumidor não está só na web, claro, mas também não está só na TV, nem só no Jornal ou no Rádio. Está em todos os meios e as vezes, ao mesmo tempo. Isso sem falar no celular, que ai sim, o consumidor está grudado 100% do tempo em que está acordado.

Mas internet não dá resultado? Será? Vamos a um exemplo bem recente, publicado hoje no site do Meio e Mensagem:
T-Mobile fez um Flashmob no aeroporto de Heathrow (próximo a Londres). Em 5 dias, mais de 1,5 milhões de pessoas viram o vídeo no YouTube. Sim, 1,5 milhões de pessoas viram.

Alguém pode perguntar: "Ah legal! Mas o que isso gerou de vendas diretas para a T-Mobile?"

Respondo: Não se compra TV pensando na audiência? Não se usa a TV para expor o produto? Então, qual canal de TV, consegue colocar 1,5 milhões de pessoas vendo o comercial? Globo, Record, SBT? E quanto custa? A T-Mobile não pagou um centavo pelo espaço no YouTube e mais uma vantagem, 1,5 milhões de pessoas optaram por ir ao YouTube e ver o comercial. E na TV? Quem opta em "vou ligar na Record para ver os comerciais" se não é publicitário, dúvido que alguém tenha esse comportamento.

Talvez, o que precisemos é de um Capitão Nascimento no comando de alguma IAB, por exemplo, para transformar a web em uma máquina de resultados. Se ele transformou o Bope em uma máquina de guerra e acabou com o tráfico no Rio, porque não transformar o mercado, arrancar a miopía dos anunciantes e mostrar que a web dá resultados!

Talvez esteja empolgado com o filme, mas sinto que falta a coragem do Nascimento para os anunciantes olharem suas verbas e tirarem um ou dois comerciais da TV e reaplicar a verba na web, mas não em banner, em ações em Redes Sociais, em Links Patrocinados, em otimizar o site, em games online, em hotsites, em banner em sites segmentados/regionais, em ações de Bluetooh, rádio/TV online, em mobile... poxa, 191 milhões de celulares ativos no Brasil!!

Das duas uma. Ou esperamos que daqui 10 anos os jovens amantes da web assumam a diretoria das empresas, ou vamos precisar de alguém chutando a porta e mostrando que uma ação na web pode dar mais resultado que meia dúzia de comercial de TV. Basta saber fazer com inteligência e um bom planejamento estratégico digital.

Já está a venda o meu livro PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIGITAL (Ed. Brasport) Adquira já o seu!

Abraços
Felipe Morais
@plannerfelipe

Marcadores: , , , , , , ,

4 Comentários:

Às 4 de novembro de 2010 17:53 , Anonymous Leandro Siqueria disse...

Boas Felipe, apesar de você frisar no final que estivesse empolgado com o filme, concordo com o seu post, é difícil saber quanto tempo vai levar para os grandes anunciantes utilizarem mais as verbas para ações de divulgação na rede, mas como bom aluno da Pós de Mkt Digital espero que logo.. hehehe
Ah... vou assistir o filme também!
Abraço!

 
Às 5 de novembro de 2010 04:40 , Blogger Falamos de Moda disse...

Muito bom artigo Felipe, acho que está na hora dos grandes anunciantes perceberem os benefícios destas novas formas de divulgação.

Quanto ao filme, é ótimo, sem comentários!!

Abraços,
Fernanda
@fewieser

 
Às 5 de novembro de 2010 07:10 , Blogger Rafael disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às 5 de novembro de 2010 07:14 , Blogger Rafael disse...

Felipe!

Muito bacana essa comparação. Mas vejo também que além da falta de coragem dos anunciantes existe uma parcela de falta de conhecimento por parte dos gestores de marca sobre o assunto web 2.0. Os caras se acomodam em seus cargos e pouco se interessam em estudam sobre tendências de consumo das novas mídias. "Pede pra saí".
Por outro lado, a gente sabe que tem muitos "fanfarrões" em agências ou muita agência que se diz capaz de pensar online, mas na verdade não se preparam adequadamente para educar e implantar a cultura digital nas estratégias de seus clientes e, conseqüentemente frustram os anunciantes e fortalecem a miopia digital.

Abraço

@rafaeldaibs

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial