segunda-feira, 10 de novembro de 2008

A classe CD no mundo mobile

Amigos.

Sabe aquela história de anunciantes só querem fazer campanhas para as classes AB, por terem maior poder aquisitivo, maior poder de compra e gastam mais? Então a cada dia que passa, as empresas - a maioria delas - deve repensar esse seu posicionamento...

O sucesso de SBT, Casas Bahia - só para ficar nessas empresas - se deve a sua comunicação e produtos serem sempre voltados a classe CD, assim, seu lucro está crescendo a cada dia.

Já publiquei aqui nesse blog e há vários estudos comprovando que a classe CD está consumindo mais, pois tem mais dinheiro para isso. E não estou falando apenas de consumir mais arroz, feijão, carne. Essas classes estão comprando TV LCD de 42 polegadas, estão comprando Nokia N95, comprando carros da Peugeot, Citroen, Renault, ok, pagando tudo em 24, 48, 60, 80 meses, mas pagando - e em dia!

O lado "aspiracional" do produto, ou seja, aquele que todos temos de ver um produto e o desejar nunca foi tão forte. As agências brasileiras possuem um nível de criatividade altíssimo - por isso estão entre as melhores do mundo - e aguçam esse desejo, ou mesmo um produto por si só já aguça. Passe em um sábado de manhã tomando um açaí na Faria Lima. No momento em que uma Ferrari passar por ali, mesmo que a 30km por hora, veja a reação das pessoas. Elas comentam, elas desejam, elas sonham. E isso pode acontecer com uma Ferrari, um apartamento, um iPhone, uma LCD 42 polegadas da LG....

E pegando o gancho do iPhone, o site ADNEWS publicou uma matéria sobre o desejo das pessoas em comprar celulares mais modernos e sofisticados. A matéria é originada de um estudo da Ericson, fabricante de celulares, junto com a Ipsos, um dos institutos de pesquisa mais respeitados no mundo. O objetivo da pesquisa qualitativa era entender o perfil de uso de celular nas classes D e E: "Usuários de áreas rurais e favelas em São Paulo e Recife buscam aparelhos com funções como música, fotos, filmes, bluetooth e acesso à internet, diz a Ericsson".

A pesquisa foi feita com seis grupos de oito usuários com idade entre 25 e 50 anos, divididos igualmente entre homems e mulheres, com e sem acesso a dispositivo de comunicação. O estudo foi feito em favelas das capitais São Paulo e Recife e na região rural de Indaiatuba (SP).

“Quando perguntamos como é o celular ideal, a resposta é que tem que abrir e fechar, ser fininho, prateado e tocar música. O celular é um objeto aspiracional, é um símbolo de status” - relata Caetano Notari - diretor de consultoria da empresa.

A pesquisa também identificou serviços que poderiam ser atrativos a essa faixa da população. Entre eles, destaca-se a possibilidade de usar o celular como plataforma de transferência de crédito, chamadas patrocinadas, pacotes convergentes (TV internet telefonia) e descontos dinâmicos, dependendo da região em que o usuário se encontra ou de picos de uso do serviço.

Perfis distintos

A Ericsson também realizou uma pesquisa mais geral para determinar o perfil dos diferentes usuários de celular no Brasil.

A fabricante segmentou o os clientes em sete perfis e destacou as características de cada um deles. No Brasil, três segmentos stem maior potencial entre os 1,2 mil usuários entrevistados, segundo a Ericsson:
- O primeiro é o “Mainstream Youth” (10%), pessoas jovens que moram com os pais e ganham seus aparelhos.
- O segundo é o “In Touch Organizers” (16%), formado principalmente por mulheres com filhos que precisam organizar suas vidas.
- Os “Experiencers” (15%), que têm interesse em experimentar novos serviços.
- Os “Basic Phoners” (15%), mais resistentes à tecnologia.
- O “Mainstream Materialist” (14%), adultos mais maduros que buscam o reconhecimento da sociedade.
- O “Pioneer Youth” (10%), jovens solteiros que vivem com os pais, mas tem maior poder aquisitivo.
- “Careerists” (4%), grupo com alta renda e formação escolar, que usam a tecnologia como vantagem profissional.

Como profissional de planejamento estratégico digital, eu fico analisando esses dados e vendo a importância do uso da web como ferramenta para se comunicar com esse público, afinal, todos os perfis traçados pela pesquisa Ericson - Ipsos mostra o forte apelo ao uso da web pelo celular, entretanto, eu estico mais dizendo que para as pessoas comprarem o celular, a web é o 1o. canal mais acessado, seja para visitar o site das operadoras, fabricantes, blogs de tecnologia, afinal, hoje os aparelhos são muito similares, a oferta é grande, a quantidade de informação é grande e a capacidade de decisão de qual aparelho comprar é cada vez mais confusa!!!
O Google é uma enorme "mão na roda".

No meu livro Planejamento Estratégico Digital eu abordo muito esse tema da importância da web na decisão de uma compra, mas finalizo esse artigo com um questionamento:
A Web é uma grande ferramenta para ajudar nessa decisão. Por que ficar fora dela?

"Quer participar da festa de lançamento do meu livro: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIGITAL, em Janeiro? Faça como muitas pessoas, mande um e-mail para felipemorais2309@gmail.com e se cadastre. Enviarei um convite com maior prazer"

Marcadores: , , , , , , , ,

1 Comentários:

Às 14 de novembro de 2008 11:05 , Anonymous Dialeto disse...

Olá, Felipe

A LG está fazendo uma pesquisa para saber como os brasileiros gostam de passar as festas de fim de ano.

Os 500 primeiros internautas que responderem a pesquisa Natal LG concorrem a três aparelhos: 1 LG Secret, 1 LG Renoir e 1 LG Cookie (os dois últimos modelos ainda não foram lançados no Brasil).

É fácil, rápido e não precisa comprar nada. Clique no link e participe.

http://lgholiday.embrain.com

Boa sorte!

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial