segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Devemos ir atrás do neoconsumidor?

Amigos

Como profissional de planejamento estratégico digital, afirmo, que sim, devemos e rápido ir atrás do neoconsumidor, afinal, nós planners estamos sempre querendo entender o que e como as pessoas pensam e agem e assim traçar um perfil de compra, consumo e tendências para as nossas marcas.

Entender quem é esse novo consumidor é extremamente importante para que nós, planners, para que cada vez mais deixemos de lado a análise básica como: Sexo, Idade, Classe Social, Escolaridade.

Se você ainda acha que esse é o perfil do consumidor, você está tão parado como aquele professor de mídia de faculdade que apresenta como comprar um comercial de 30 segundos na TV Tupi.

Em todas as minhas aulas e palestras estou batendo na mesma tecla: Hoje o consumidor tem muito mais acesso a informação, logo, ele está sabendo mais, está pesquisando mais e até chegando no ponto de venda sabendo mais que o vendedor.

Por isso, está – por um lado – mais difícil convencer esse consumidor a comprar o produto, por outro lado, está mais fácil, pois ele quer informação e quanto mais confortável ele estiver para uma compra, melhor. Mais fácil dele fazê-la.

O neoconsumidor está mais conectado do que nunca. A conexão não é apenas para acessar Redes Sociais ou seu e-mail pelo celular, esse novo consumidor está pesquisando, relacionando, comprando, conversando, divulgando, indicando produtos e marcas pelo aparelho, além, claro de usar as redes com os mesmos princípios nos Tablets, PCs, Notebooks, Netbooks.

O futuro é um só: convergência de canais, algo que está se discutindo no mercado há tempos e algumas marcas já estão fazendo. E fazendo bem!

Vale aqui, mais uma vez, citar outro conceito que tenho defendido demais, a presença digital das marcas. O varejista que imagina que o consumidor está hoje no seu site, está mais atrasado que o professor acima citado.

As pessoas estão em vários pontos de contato e as marcas devem estar lá para gerar uma conversa. Apenas como um fator, uma pesquisa da empresa GS&MD 81% dos neoconsumidores utilizam comparativos de preços para pesquisar melhores preços e informações.

No varejo tradicional isso ocorre também, pois o consumidor já entendeu a importância da internet para uma compra mais assertiva.

Mas para acertar de vez, o neoconsumidor não está se utilizando apenas dos comparativos de preço. Essa é um das ferramentas, que eu até coloco como um dos pilares da presença digital. O neoconsumidor está na Fan Page da marca no Facebook, está na comunidade do “eu amo o produto X” no Orkut, está pesquisando o nome da marca no Twitter, avaliando a empresa no Reclame Aqui, assistindo vídeos no Youtube.

E detalhe, fazendo tudo isso fora do site da marca, tendo o Google, as vezes, como grande amigo nas pesquisas.

Em resumo, o Neoconsumidor é o consumidor mais digitalizado. É o consumidor que tem o seu Twitter e pesquisa, compara, indica e recebe indicação; eu por exemplo, recebo no meu Twitter (@plannerfelipe) dezenas de pedidos de indicação de cursos, livros, palestras ou para avaliar algum desses.

Dou a minha opinião, mas assim como eu, milhares de pessoas fazem o mesmo. Se a sua marca não tem reputação digital, o neoconsumidor não vai atrás. E eles estão crescendo cada vez mais!

O livro Planejamento Estratégico Digital é o único livro que aborda o temano Brasil.
Clique aqui e compre o seu!

Marcadores: , , , , , , , ,

2 Comentários:

Às 1 de setembro de 2011 14:55 , Anonymous Rafael Daibs disse...

Felipe,tudo certo?

Você disse tudo, ta muito claro que as marcas precisam estar junto com esse novo consumidor, talvez a frente!
Eu já me arrisco a acreditar que essas características do neoconsumidor nem são tão novas assim, já que a velocidade das mudanças tem acontecido muito rápida e esse comportamento de consumo já esta se tornando muito comum.

Obrigado!

abs

 
Às 8 de setembro de 2011 16:46 , Blogger SarJeta disse...

Muito bom o texto, parabéns!

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial